terça-feira, 8 de junho de 2010

Fora de casa III

A brisa então que batia no seu rosto, de leve, de repente fez-se um vendaval. As mesas e os papéis voavam e quando iam se perder de vista pareciam mais borboletas de origami a bailar na tempestade de cores neon. Começou a encorpar a ventania, e ele já não conseguia seguir em frente.
Quando saiu do delírio, deu-se por conta que empurrava seu corpo contra um muro de concreto; não havia vendaval algum. O muro era espesso e continha fendas por onde conseguia espiar o outro lado, e o outro lado também conseguia vê-lo. Mas quem eram os outro do outro lado? Que que estavam fazendo ali? Por que eu não posso ir adiante? E finalmente: mas quem foi o filha da puta que pôs essa merda desse muro logo quando eu quero dar uma caminhada pra tentar curar uma bad trip em pleno domingo de Faustão na televisão? Os do outro lado observavam em silêncio.

6 comentários:

Kaos disse...

Quando saiu do delírio, deu-se por conta que empurrava seu corpo contra um muro de concreto; não havia vendaval algum.

Todos nós um dia nos damos conta em algum momento,sempre quando saimos do delirio.

Fantástico.

Bruno Thomazi disse...

mas quem foi o filha da puta que pôs essa merda desse muro logo quando eu quero dar uma caminhada pra tentar curar uma bad trip em pleno domingo de Faustão na televisão?

hahahahah muito bomm!

C.Beê! disse...

As pessoas só se unem pra construir esses muros.
Desde que nascemos cada um poem e concreta um tijolinho no meio do nosso caminho.
Ai quando voce resolve caminhar, bate de cara com o muro que os outros fizeram. Agora sobra pra voce, só voce, resolver isso. Não tem marreta pra quebrar tudo.
Então parece que tem que tirar tijolo por tijolo. ;/

Sendo ele uma metáfora, ou não, gostei do texto :}

Wander Shirukaya disse...

O texto está mais ou menos; um final mais bem trabalhado ajudaria. ^^

Papéis ONline disse...

quero te convidar para conhecer e participar do projeto Papéis de Circunstâncias
http://papeisonline.blogspot.com/

grande abraços

alexandra camilo disse...

Estava no blog da Lucy quando vi o seu e resolvi entrar para conhece-lo, gostei. Muito diferente, mas é interessante.
Beijos da Alê.